13 erros de português que detonam seu negócio

Conversamos com especialistas em Língua Portuguesa e jornalistas e levantamos os 13 erros mais comuns que permeiam diversos tipos de comunicação. Nossa lista traz expressões utilizadas de forma equivocada, grafias erradas e verbos perigosos.

Quando se trata de comunicação com jornalistas, o cuidado deve ser redobrado. Profissionais de comunicação são bastante críticos e podem simplesmente deletar sua história diante de um erro de português. Com a ajuda da plataforma 1927, você se livra desse risco! Conheça nossas ferramentas e serviços e comece agora a pilotar suas Relações Públicas.

1

Houveram

Talvez seja um dos mais graves erros de português com o qual constantemente nos deparamos. Mas não se trata de um bicho de sete cabeças. Quando tem o sentido de “existir” o verbo haver é impessoal. Ou seja, NUNCA deve ser usado no plural. Não existe, na Língua Portuguesa, houveram. Use houve sempre no singular, mesmo que a palavra seguinte seja no plural.

Exemplos do uso correto:

Houve problemas.

Houve situações em que tivemos de atuar firmemente.

Houve motivos suficientes para a medida ser tomada.

Leia mais | Por que vale investir em Relações Públicas?

 

2

“Anexo” e “em anexo”

Qual é o certo? Bateu a dúvida? Vamos lá. A palavra “anexo” tem função de adjetivo. Portanto, deve concordar com o substantivo a que está associada. Na prática fica mais fácil de entender.

Exemplos do uso correto:

“As fotos estão anexas

“O documento segue anexo”.

Em ambos os casos, “fotos” e “documento” são os substantivos.

A expressão “em anexo” não sofre variações e pode ser usada no meio de uma frase, assim: “Envio, em anexo, os arquivos solicitados”.  

 

3

“A grande maioria”

Maioria significa “a maior parte”, aquilo que está em grande número, supremacia. Portanto, não é necessário que venha acompanhada de “grande”. “Grande maioria” configura redundância, ou seja, palavras desnecessárias, que repetem ideias já expressas anteriormente.

Outros casos comuns de redundância: “metades iguais”, “encarar de frente”, “voltar para trás”, “elo de ligação”, “panorama geral”, “conclusão final” e “surpresa inesperada”.

 

Leia mais | Que histórias chamam a atenção nas redações?

 

4

“Ir de encontra a” e “ir ao encontro de”

Porta-vozes e políticos adoram usar essas expressões. O único problema é que, na maioria das vezes, elas são empregadas de forma equivocada. Para começo de conversa: “de encontro a” e “ao encontro de” têm significados OPOSTOS.  


“Ir de encontro a” quer dizer entrar em conflito, divergir, discordar. Assim: “Minha opinião vai de encontro ao que você diz”. Ou seja: minha opinião diverge da sua, penso ao contrário.


No caso de “ir ao encontro de” significa concordar, estar em harmonia. Exemplo do uso correto: “Concordo com seu ponto. Meu pensamento vai ao encontro do seu”.


Note que o uso de uma ou outra expressão muda totalmente o sentido do que se quer dizer.

 

5

“Afim” e “a fim”

Apesar de terem sons idênticos, os termos têm funções diferentes.

“Afim”, escrito junto, significa afinidade. Exemplo: “Precisamos fazer uma reunião para ver se há interesses afins”. “Nossas áreas de atuação são afins” (ou seja: têm semelhança).

Já “a fim”, escrito separado, significa finalidade, objetivo. “O cliente está a fim de conversar”. “Estou a fim de marcar um almoço”. “Não estou a fim de falar sobre isso agora”.

 

Leia mais | Como a 1927 pode ajudar a colocar sua empresa na mídia?

 

6

“Ao invés de” e “em vez de”

Sim, há uma ENORME diferença entre as duas expressões, muito embora sejam frequentemente usadas como sinônimas.

“Ao invés” nasce do sentido de “inverso”. Pressupõe inversão de situações diretamente opostas, como no exemplo: “Ao invés de dormir, resolvemos acordar”; “Ao invés de chover, saiu o sol”; “Ao invés de gastar, decidimos economizar”.

Quando não se trata de uma inversão, mas apenas de uma alternativa não necessariamente contrária, pode-se usar “em vez de” como “no lugar de”. Na prática: “Em vez de discutir o orçamento por telefone, o cliente preferiu fazer uma reunião presencial”; “Em vez de comprarmos no supermercado, fomos à feira”.

 

7

“Meio” e “meia”

Além de ser a peça de roupa que usamos nos pés, a palavra meia significa “metade”: meia hora, meia banana, meia porção, meia distância. Até aí tudo bem.

A confusão ocorre porque o termo meio, no masculino, também pode ser um advérbio que designa “mais ou menos/um pouco”. Nesse caso, com esse sentido, deve ser SEMPRE usado no masculino (e não no feminino).


Exemplos do uso correto:

“A comida está meio estranha” (ou seja, “um pouco estranha”)

“A menina ficou meio quieta” (ou seja, “mais ou menos quieta).

“Hoje estou meio cansada” (ou seja, “ligeiramente cansada”).

 

Exemplos do uso errado:

“A comida está meia estranha”

“A menina ficou meia quieta”

“Hoje estou meia cansada”

 

8

“Através de” X “Por meio de”

“Através de” tem o sentido de travessia, ir de um lado a outro, movimentar-se. Funciona em frases como “Ele me viu através da janela do carro”, “Navegamos através do oceano”, “Seguimos através da trilha”. E cuidado: através se escreve com S.

Já “por meio de” significa “por intermédio de”. Exemplo: “Por meio de exemplos claros e concretos, pudemos convencer todos a seguirem a estratégia de negócios”. “Por meio das explicações do médico, ficou mais claro o tratamento”. “Por meio dos recursos financeiros viabilizamos o projeto”

 

9

“Um dos que…”

Em frases que usam a expressão “um dos que…”, o verbo que a acompanha deve estar sempre no plural. “O segmento é um dos que mais cresceram no país”. “Meu filho é um dos alunos que mais estudaram para a prova”.

 

10

“Tão pouco” e “tampouco

“Tão pouco” corresponde a “muito pouco”. “Trabalhamos duro, mas ganhamos tão pouco…”. Já o termo “tampouco” significa “sequer” ou “também não”. Exemplo: “O cliente não quis saber de descontos, tampouco de outras negociações”.

 

11

“Impresso” e “imprimido”

Existe diferença? Sim! O uso correto depende do verbo que vem na sequência. Com “ser” e “estar”, o correto é dizer “impresso”, como na frase: “Os folders estão impressos em gráfica rápida”. Já com os verbos “ter” e “haver”, usa-se “imprimido”. “Eu tinha/havia imprimido a apresentação, mas deixei a pasta em casa”.

 

12

“Há” e “a”

Há, do verbo haver, com acento, indica passado: “A empresa existe há dez anos”. O “a” faz referência à distância ou a um momento futuro, como nos seguintes exemplos: “A fábrica fica a dez quilômetros da capital do estado”. “A reunião com os fornecedores acontecerá daqui a dois dias”.  

 

13

“Dicas úteis”

Toda dica, pressupõe-se, é útil. Caso contrário, não seria uma dica. Logo, a expressão “dica útil” é redundante. Pense se faria sentido escrever “Dicas inúteis”. Não, né? Portanto, use apenas “Dicas”, sem adjetivos.

 

Leia mais | 6 coisas que fazem o jornalista deletar um email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *